sábado, 21 de janeiro de 2012

Capitulo 15 - Nothing Else Matters

Eu acho realmente digno vocês me socarem! Sério mesmo :c

Gente, milhões e mais trilhões de desculpas por nunca mais ter postado. Eu esqueci completamente da fic! Quando eu vi que tinha o capitulo salvo aqui no computador eu lembrei e bom, estou indo postar só agora... Desculpa, desculpa, desculpa!

Para compensar o tempo que eu não escrevi, que tal 1 grande capitulo? Negócio Fechado? Bom, eu espero que sim! Hahaha

E mais uma vez, mil desculpas :/

Respondendo os coments*

Lívia Vasconcellos : Muito obrigada! Sério, eu não sei onde enfiar a cara de tanto tempo que eu demorei pra escrever, mas eu espero de coração que esses novos capítulos agradem você do mesmo jeito! Mais uma vez, me desculpe :/

France Ananias : AAAAAAAAH, que fofa! Hahahaha MUITO MUITISSÍMO OBRIGADA! E eu deixo você me socar por demorar tanto pra escrever :/ hahahaha é nois que voa bruxão! Ah, e obrigada pelo que disse de muitas pessoas amarem aqui! Eu espero que vocês continuem gostando, de coração! Beijos.

niley love niley : Obrigada! Espero que você continue gostando! :3

Tmendre : Obrigada! Que bom que você gostou! Desculpe a demora :c

OneDForever : Ainda não conseguir ir lá dá uma lidinha na sua fic, mas vou tentar ler e digo o que eu acho por aqui mesmo o mais rápido possível! Obrigada! Beijos :3

Capitulo 15

Meus olhos se abriram vagarosamente quando sentiram sua respiração quente e ritmada em minhas bochechas. Nick era um anjo. Parecia um, na verdade. Seus olhos repousavam enquanto sua boca permanecia entreaberta, suas têmporas brilhavam avermelhadas e seu nariz também. Ele resmungou algo imperceptível e apertou ainda mais sua mão em minha cintura, que eu só dei por perceber que permanecia lá depois de tal ato. Ele me puxou para mais perto e eu coloquei meu rosto na curva do seu pescoço tentando gravar ainda mais o cheiro dele pra dentro de mim. Algodão doce. Nick cheirava a algodão doce. Ignorei o fato de este ser meu doce favorito.

Tentei me mover aos poucos, delicadamente para não acordá-lo. Quando por fim, depois de um tempo lutando contra seus braços, pousei meus pés para fora da cama.

- Miles. – ele resmungou.

- Nick. – respondi sorrindo.

- Dorme mais um pouquinho, por favor.

- Preciso ir embora, Nick.

- Não precisa não, você ‘tá fazendo gracinha. – ele bufou e eu ri baixo. – Eu não abri meus olhos ainda, mas tenho certeza que é cedo demais pra você ir embora ou acordar.

- Ainda é bem cedo mesmo. – constatei olhando no relógio em cima da cabeceira. 9h45.

- Eu sei das coisas. – ele sorriu torto ainda com os olhos fechados. – Vem dormir mais um pouquinho, vai.

- ‘Tô indo dormir lá na sala então. Minha cama ‘tá lá, esqueceu? – eu ri enquanto ele bufou.

- Dá pra parar de causar problema e vir logo aqui comigo?

- Nick, não quero mais dormir. Eu vou ficar me revirando na cama e não deixar VOCÊ dormir!

Ele não respondeu.

- Vou buscar nosso café, ok? – ri baixinho quando ele sorriu. – Starbucks. O que quer?

- Muffins e Frappuccino. Só você sabe cuidar de mim, sabia? – ele disse já inconsciente enquanto eu passava pela enorme porta do seu quarto.

Fui ao banheiro e fiz “minha higiene matinal”, como diz Demi. Encontrei a roupa que usei ontem dobrada por cima do sofá, busquei a sapatilha que tinha guardado dentro da bolsa e comecei a me trocar. Nick dormia, não vi problema em me arrumar rapidinho ali na sala.

- Hey, Miles, esqueci de pedir pra você comprar...

- AAAAAAAAH! – gritei entrando debaixo da minha coberta, tentando frustradamente esconder meu corpo.

- Foi mal, foi mal, foi mal! – Nick virou de costas rapidamente. – Não tive a intenção!

- Ah, tudo bem. Eu consegui me esconder antes. – ri baixinho.

- Eu costumava ser mais sortudo. – ele resmungou rindo depois.

- NICHOLAS! – repreendi com as bochechas coradas.

- ‘Tô brincando, Miles. – ele riu ainda de costas.

- Pode se virar, já me vesti debaixo da coberta. – disse alisando o vestido soltinho e amassado que usei ontem à noite. Sentei no sofá e calcei minhas sapatilhas.

- Ah, então, sem querer abusar. Compra aqueles sucos de laranja que vendem lá, sabe? Pra mim? Por favor. – ele me encarou com olhos pidões e eu resmunguei.

- ‘Tá bom Nick, já venho, volta a dormir. – disse andando em direção a porta com a bolsa pendendo em meu ombro.

- Perdi o sono. Aquela cama fica super sem graça sem você lá. – ele murmurou com as bochechas vermelhas.

- Que fofo! – eu ri – Nem parece o Nick que eu conheço. Ok, eu vou lá, tem um Starbucks aqui na esquina, não é?

- Sim, próxima direita. – disse se jogando levemente no sofá e ligando a TV num desenho qualquer.

- Já volto!

- É PRA VOLTAR, HUH? – escutei Nick gritando enquanto fechava a porta e ria baixinho.

Quando pisei na calçada, um vento frio bateu de encontro ao meu corpo descoberto, me fazendo resmungar um pouquinho. Apressei os passos até avistar o meu destino. Quando abri suas portas fui tomada por um cheiro inebriante de café e muffins. Quis ficar lá para o resto do dia.

Pude reparar que pra um lugar como aquele, ele se encontrava quase vazio, um dos caixas estava aberto e uma mocinha de cabelos loiros cacheados e bochechas rechonchudas me atendeu sorridente.

- Starbucks, bom dia, com que posso ajudá-la? – ela riu e eu perguntei quem em são consciência conseguia aquele animo logo pela manhã.

- Bom dia. – fui educada. – Quero 2 frappuccinos de caramelo, 2 muffins um de blueberry e outro de chocolate e mais um daqueles sucos de laranja, por favor. – disse educadamente dando um sorriso do mesmo jeito que fui atendida.

- Só um minutinho moça! – ela sorriu e foi correndo preparar os pedidos.

Ela parecia ter menos de 15 anos, 14 arrisco. Tinha olhos azuis lindos e era super simpática. Só de ser tratada daquela maneira especial, meu humor melhorou ainda mais. Segundos depois, a garotinha voltou rapidamente com meus pedidos dentro de uma sacola de papel bege.

- Aqui está. – ela sorriu e pareceu se lembrar de algo. – Ah, me desculpe, esqueci seu suco! – ela correu ainda mais e trouxe o suco gay que o Nick me pediu, resolvi não adicionar aquele comentário na frente da menina.

- Muito obrigada! – sorri. – Você é uma ótima atendente, se queira saber. – eu sorri e seus olhinhos brilharam.

- Oh, obrigada senhorita! – ela riu e corou as bochechas. – É meu primeiro dia aqui e eu...

- Lizzie, por que você não está trabalhando? – ouvi uma voz familiar e logo após uma risada carinhosa logo após.

- Hey Liam! Eu só estava atendendo essa moça! Ela é super simpática! – ela riu e eu corei sem graça, olhando pra trás acenando vagamente.

- Miley? – ele riu. – Hey Miley, como você está? – ele chegou mais próximo e beijou uma de minhas bochechas.

- Espere um minutinho ai, vocês se conhecem? – Lizzie fez uma cara de confusa hilária e eu ri baixinho junto com Liam.

- Vá trabalhar Lizzie! – Liam riu e bagunçou seus cabelos cor de ouro.

- Chato! – ela deu a língua para ele. – Prazer em conhecê-la Miles! Apareça mais vezes por aqui! – ela deu um aceno breve e correu sorridente para detrás do balcão.

- Sua irmã? – perguntei sorrindo, enquanto pagava os meus pedidos.

- Filha do meu padastro, na verdade. Mas somos criados juntos desde pequenos, é como se fossemos irmãos mesmo. – ele sorriu e meu coração apertou.

Eu também tinha uma irmã. Abaixei os olhos e respirei fundo algumas vezes para desacelerar meu coração.

- ‘Tá tudo bem Miles? – Liam perguntou com a voz semblante a preocupação.

- Tudo sim Liam, obrigada por se preocupar. – sorri enquanto andávamos em direção a porta.

- Você parece realmente com fome. – ele riu e apontou com as sombrancelhas meu saquinho.

- Ah, sim. – ri envergonhada. – Não é só para mim!

- Eu imaginei. – rimos juntos mais alguns segundos. – Tudo certo para hoje a noite, não é? – ele coçou a nuca totalmente desconfortável.

Eu tinha me esquecido completamente do baile.

- Claro! – disfarcei meu nervosismo. – Depois a gente conversa sobre isso, eu te mando uma mensagem, ok? Eu preciso realmente ir! – disse sorrindo.

- Ah certo, certo. – suas bochechas coraram. – Tchau Miles. – ele chegou próximo de minhas bochechas e encostou seus lábios ali, num beijo demorado e carinhoso. – Vejo você mais tarde! – ele acenou indo em direção a Lizzie que apontava para um bloquinho em sua frente.

Voltei ainda mais rápido do que fui. Nick com certeza estranharia minha demora. Abri a porta do apartamento com uma das mãos e a fechei logo em seguida.

- O Starbucks ‘tá no México agora? – ele zombou enquanto eu colocava nosso café em cima da mesinha.

- Idiota. – sorri enquanto pegava meu doce muffin de blueberry dando uma generosa mordida acompanhada do meu delicioso frappuccino. Nick fazia o mesmo.

- Mas é sério Miles, por que demorou? – ele perguntou com a boca cheia enquanto via algum programa inútil de culinária.

- Ah, os pedidos demoraram um pouquinho e eu topeicomoLiamnasaída. – ri amarelo enquanto voltava meus olhos pra TV.

- Topou com quem? – ele fez cara de desentendido enquanto abria seu suco – gay – de laranja.

- Ah, com o Liam. – ele começou a estreitar os olhos e eu logo fiz questão de prosseguir. – Sobre o baile de hoje a noite...Foi o que a gente conversou.

- Vou ignorar a situação por que ele ‘tá por baixo, já que foi comigo que você dormiu essa noite. – ele deu de ombros e eu logo tratei de dar um tapa super ardido em seu braço.

- Ai, Miles! Que dor, porra! – ele resmungou enquanto passava a mão tentando abafar a dor.

- Bem feito, é pra você parar de falar besteira. – disse séria e voltei meus olhos para TV enquanto Nick ficava quieto com um enorme bico ao meu lado.

Permanecemos em silêncio alguns segundos e eu voltei meu olhar para Nick que continuava todo birrento.

- Ah ficou emburradinho? – brinquei, colocando o lixo em cima da mesa voltando a sentar do seu lado no sofá de novo.

- Sai Miles, não quero falar com você. – ele virou o rosto e foi uma deixa para pular em cima dele.

Nick que não esperava levou um susto e me derrubou no tapete junto com ele, que caiu por cima de mim. Ambos riam tanto que vi lágrimas escorrendo de meus olhos. Fui perdendo o ar e Nick também. Paramos de rir por alguns minutos para recuperar o ar. Nick mirou os olhos para o teto de seu apartamento e os mirou de volta nos meus.

Eu senti aquele friozinho tão familiar, de novo.

Nick pareceu sentir o mesmo por que ambos não descolavam os olhos um dos outros. Minha respiração foi se tornando descompassada e o hálito de chocolate de Nick batia de encontro a meu rosto. O cheiro inebriante de seu perfume foi ficando mais forte, cada vez mais próximo que ele estava. Quando Nick roçou seus lábios nos meus, sem cortar um segundo nosso contato visual, meu estomago pulou. Foi algo inexplicável e meu coração batia tão descompassado quanto minha respiração. Quando ele de fato conectou nossos lábios em apenas um selinho, ambos fechamos os olhos e quando dei por perceber sua língua contornou toda extensão de minha boca, que – eu tentei negar, mas não consegui. – logo a deu passagem para nos juntar ainda mais.

Morangos. Beijar Nick era como beijar morangos, não sei se isto faz sentido, mas ele possuía um gosto idêntico. Ele começou a passear as mãos por toda minha cintura enquanto eu bagunçava ainda mais os seus cabelos. O beijo foi ficando afobado e, por mais que me corpo inteiro negava, eu o quebrei em busca de ar.

- Sempre estragando o momento. – ele resmungou.

- Nick, isso não é certo. – disse me desvencilhando dele.

Nós dois encostamos-nos ao sofá evitando nos olhar. A respiração pesada dos dois preenchia o ambiente. Ficamos em silencio alguns minutos quando Nick resolveu falar.

- Por que seria necessariamente errado? Eu concordo que não podemos ficar juntos, mas o que torna isso TÃO errado? Eu não entendo.

- Você é meu melhor amigo Nick.

- E?

- E acontece que isso não vai dar certo, vamos mudar de assunto?

- Você não pode simplesmente ignorar isso! – ele disse exasperado. – É a segunda vez que nos beijamos e você continua fingindo que nada aconteceu!

- Nick... – disse baixo.

- Não, me escuta primeiro. Você sabe muito bem que não tem motivo pra você... – eu o interrompi.

- EU GOSTO DE OUTRA PESSOA! – disse alto, sem pensar. Sem parar para perceber o que tinha feito.

- O que? – ele disse baixo, quase sussurrando, seus olhos penetrando os meus quase forçando uma resposta.


3 comentários: